Quando morre um animal de estimação…

0
79

Hoje quero trazer para vocês essa reflexão acerca de um tema muito atual, porém ainda pouco discutido: o luto pela perda de um animal de estimação.

Atualmente quase todas as famílias têm algum bichinho de estimação. Eles são uma fonte inesgotável de afeto e carinho. São a acolhida calorosa após um longo dia de trabalho, a companhia para a noite solitária, o ouvido atento a um desabafo… Não criticam e nem julgam. Fazem-se parte da família por muitos anos e estão presentes nos mais diversos acontecimentos. Em alguns casos, são ainda mais que isso: são o acalento para o vazio que
ficou com a saída do filho de casa ou o irmãozinho que a criança não teve. E, para alguns casais que não podem ou optam por não ter filhos, o bichinho de estimação passa a ocupar esse espaço e a receber todo o carinho, cuidado e zelo que seria destinado ao filho.despedida-pet

O Luto por um animal de estimação

Neste contexto, quando o animal de estimação morre, perde-se muito mais que um cachorro, ou um gato. Perde-se um integrante da família. Isso por si só já é um bom sinalizador da intensidade do luto que se vive após sua morte. Todavia, esse luto ainda é pouco reconhecido e autorizado socialmente. Quando morre um animal de estimação, é comum ouvirmos frases como: “Era só um cachorro”; “Você pode adotar outro”; “Que exagero chorar tanto por um gato”. Socialmente tem-se a crença de que os animais não são dignos de luto e de que há algo de muito errado com aquele que chora e se desespera ao perder seu bichinho. Por isso, a pessoa enlutada pela perda de seu pet sente-se inconveniente, embaraçada e mesmo envergonhada pelo seu pesar. Sente que não tem “autorização” para chorar pelo seu animal morto. Não tem também direito a faltar no trabalho, na escola ou em outro compromisso social.

images-9Todavia, grandes estudiosos em luto e perdas, como os pesquisadores Bowlby e Parkes, afirmam que tanto as reações de pesar como as formas de enfrentamento da perda são muito semelhantes na morte de uma pessoa querida e de um animal de estimação. Negação, tristeza, culpa, ansiedade de separação, raiva, entorpecimento, entre outros, estão presentes em ambos os processos de luto. São emoções que surgem sempre que se rompe um forte vínculo afetivo. Por isso é tão importante que a morte de um animal de estimação não seja banalizada. Somente o enlutado conhece o significado que o animal tinha em sua vida, e somente ele é capaz de saber o quanto aquela perda está lhe afetando.

Da mesma forma, os rituais de despedida, tão comuns ao se perder uma pessoa querida, são quase inexistentes na morte de um animal de estimação. E, como sabemos, rituais são sempre importantes pois facilitam a assimilação da perda e a elaboração saudável do luto. Na morte de um pet eles têm a mesma função e necessidade de acontecer.  Também o apoio social, sempre muito presente na perda de um ente querido, na morte de um pet é quase totalmente negado ao tutor do animal que morreu. Quando essa perda e luto não são reconhecidos como tal, istock_000033750004_large-3 a vivência do luto torna-se ainda mais dolorosa, podendo, em alguns casos,  resultar em uma complicação do luto.

A criança e a morte de seu bichinho

Quando se trata de crianças, o suporte social na perda de seu bichinho de estimação tende a ser um pouco maior do que aquele dado ao adulto. No entanto, na maioria das vezes, ainda insuficiente ou passageiro demais. É sempre importante que os pais e professores não minimizem o sofrimento da criança que perdeu seu bichinho e permaneçam atentos ao comportamento e atitudes da criança enlutada no decorrer dos dias e meses após a perda. Elas podem não falar da perda, mas tendem a demostrar seu pesar de muitas outras maneiras.

Ainda no  se refere as crianças, é indicado que os pais sejam sinceros e verdadeiros  ao lhes contarem sobre a morte de um animal de estimação. Alguns pais, querendo proteger as crianças do sofrimento, evitam dizer-lhes que o animalzinho morreu. Optam então por falar que ele foi “dormir pra sempre” (a criança pode ficar com medo de dormir) ou que ele fugiu. E neste caso, a criança poderá ficar preocupada e mesmo se culpando sobre o que poderia ter feito de errado para que o animalzinho fugisse. Caso a 82462964criança queira, recomenda-se fazer um ritual de despedida e o enterro do pet. Isso facilitará a assimilação e aceitação da perda e também ajudará a criança a lidar melhor com futuras perdas e lutos.

Assim como não há um tempo determinado para a duração de um luto ao se perder uma pessoa querida, também não se pode estipular um prazo para o luto por um animal de estimação. O processo pode levar dias, semanas ou meses. Isso é algo muito particular de cada um e dependerá de vários fatores, tais como: a relação existente entre dono e animal, a intensidade do vínculo, a causa da morte do animal, a história de perdas anteriores do dono, etc.

Para amenizar o sofrimento pela morte de seu animal de estimação, é importante que a pessoa aceite e reconheça a própria dor e busque apoio em seu grupo social no qual exista a aceitação de sua perda. Falar sobre o bichinho e fazer algum tipo de ritual de despedida também pode ser útil para a elaboração do luto. E, caso sinta necessidade, não há nada de errado em buscar ajuda psicológica.

Segundo a Psicóloga Déria de Oliveira, estudiosa do tema, nos Estados Unidos o apoio fazem-faltapsicológico a donos de animais de estimação dentro de clínicas veterinárias já é algo comum. No Brasil, todavia, é algo ainda muito raro. Assim, o dono que vê seu animalzinho muito doente ou sem possibilidades de cura, ou mesmo quando perde o animal, ainda fica muito desamparado e solitário em seu sofrimento.

Antes de qualquer julgamento, é importante lembrar que todo o ser humano que passa por uma perda e vivência um luto merece ser acolhido e compreendido, indiferente do quê ou de quem ele tenha perdido.

Se você se identificou com este texto, se já passou ou está passando por um luto assim, lembre-se de que não precisa ser solitário. Sua dor importa, sua perda importa! Se quiser conversar ou precisar de ajuda, entre em contato, ficarei feliz poder ajudar.